Alimentos de outono: Rábano-picante

Alimentos de outono: Rábano-picante

É da família da couve, nabo e mostarda e é mais conhecida como raiz-forte em Portugal, onde é cultivada na zona de Vila Nova de Milfontes. Lá fora é conhecida como rábano-picante, mas a sua aparência é muito diferente do rábano que estamos habituados a conhecer: o modesto rabanete.

Tem fósforo, potássio, magnésio e cálcio e é muito rico em vitamina C. Geralmente a parte da planta usada é a raiz, embora as folhas também sejam comestível. A raiz possui óleo de mostarda, que tem propriedades antibióticas.

É apreciado como condimento picante e usado para fazer um falso no Japão, misturado com corante alimentar verde. Também é usado na judaica para fazer chrain, ou vermelho, sendo este misturado com beterraba. O chrain é uma espécie de feito com o rábano-picante ralado que acompanha pratos de peixe.

O rábano-picante é um remédio popular para a gripe, dores de garganta, catarro da tosse e bronquite. Também se usa como cataplasma local para estimular a circulação. À semelhança dos outros vegetais crucíferos (como a couve, de que é parente) são-lhe reconhecidos composto que protegem contra alguns cancros.