Alimentação de Crianças Veganas

Receitas, Receitas Vegetariana,

Partilhe com os seus amigos ...Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter

de Crianças Veganas

Alguns estudos levados a cabo em crianças veganas desde o nascimento, em 1981 e 1992, mostraram que estas pesam em média menos do que as crianças onívoras, mas se encontram dentro dos níveis normais de peso e altura. Bebês e crianças criadas com uma dieta vegana variada obtêm proteínas e energia adequadas, são saudáveis e crescem normalmente. São extremamente raros os casos, relatados com pompa na imprensa médica, de bebês veganos que sofrem de deficiências protéicas e energéticas. São mais os casos de bebês criados com uma dieta macrobiótica ou frugívora mal planejada, do que com uma dieta vegana.

É comum a ideia de que sujeitar uma criança a uma dieta ou vegana pode coloca-la em risco de deficiências nutricionais. A realidade é que uma dieta mal planeada, independentemente de ser ou onívora, é a causa principal de desequilíbrios nutricionais. Os primeiros anos de vida da criança constituem uma oportunidade para lhe incutir bons hábitos alimentares.

Dicas para Alimentar Crianças Veganas:

– Os bebês necessitam de bastante energia. Os cereais preparados em casa devem ter uma consistência espessa. Adicionar um pouco de óleo vegetal aos cereais cozidos aumenta o seu conteúdo calórico e melhora o paladar, tornando-os menos glutinosos quando enfriam.

– Usar mais óleo de soja ou de cânola, e menos óleo de girassol ou de milho, pois os primeiros estimulam a produção de ácidos graxos, muito importantes para o desenvolvimento do cérebro e da visão.

– Não deixe o bebê encher-se de líquidos antes de comer.

– Usar margarina fortificada com ferro e B12 para passar no pão, ou manteiga de e/ou sementes, para aumentar a densidade energética.

– Usar um extrato de levedura de com baixo conteúdo de sal é uma boa fonte de e minerais.

– Leguminosas (lentilhas, feijões, ervilhas) bem cozidas e esmagadas fornecem energia e proteínas.

– Usar melaço para reforçar as doses de ferro e de cálcio.

– Tofu preparado com sulfato de cálcio contém mais cálcio do que de e também é muito rico em proteínas.

– Assegurar-se que a criança apanha sol regularmente e fornecer-lhe suplementos de vitamina D no Inverno.

– Usar leite de soja enriquecido com cálcio, vitamina D e vitamina B12.

– Proporcionar a criança uma dieta variada com muitos alimentos frescos adequados a idade.

– Evitar alimentos industrializados ricos em gorduras e açúcar .

– Preferir os sucos de fruta naturais com água e não os concentrados ou refrigerantes.

– Encorajar o consumo de vários legumes e frutas coloridas, conforme a idade.

Alguns Nutrientes Chave para Crianças:

Proteínas

O que as crianças necessitam, como base, é de alimentos energéticos suficientes. Ou seja, mais calorias do que propriamente proteínas. Com as calorias adequadas, um bebê terá um equilíbrio positivo de nitrogênio e irá desenvolver-se bem, com uma dieta na qual as proteínas são fornecidas por uma variedade de alimentos vegetais. Para tal é importante incluir nas refeições tofu, proteína de soja texturizada, leite de soja e uma grande variedade de leguminosas, cereais, sementes e nozes.

Vitamina B12

Depois do parto, se o leite materno tiver pouca B12 podem ocorrer deficiências no bebê – não nas primeiras semanas de vida, mas depois de alguns meses, quando a reserva do bebê acabar. Os problemas com a B12, durante o aleitamento, continuam a ser muito raros. A dose diária recomendada (DDR) é de 0.4mg por dia, para bebês entre 0-6 meses, e de 0.5mg para bebês com 7-12 meses. As crianças com idades entre 1-3 anos devem consumir 0.9mg, aumentando para 1.5mg por dia dos 4 aos 8 anos. Até aos 13 anos a DDR é de 1.8mg e a partir dessa idade 2.4mg.

A deficiência de B12 durante a infância é muito rara. No entanto, porque a deficiência pode ter efeitos graves, é prudente que as famílias veganas usem e dêem às suas crianças alimentos enriquecidos (verifique no rótulo a existência de vitamina B12 ou cianocobalamina) ou suplementos de B12 (ao tomar suplemento a quantidade deve ser bastante superior a DDR, pois o nosso organismo não absorve toda a vitamina ingerida. Também não existe qualquer risco em ingerir quantidade a mais.).

Vitamina D

Com exceção das latitudes norte, a maioria das pessoas obtém vitamina D através da exposição a luz solar, mais do que através da alimentação.

Consequentemente, na Inglaterra, estabeleceu-se uma Referência de Ingestão Nutritiva (RIN), apenas para pessoas com maior risco de deficiência – recém-nascidos – de 8.5mg, baixando depois para 7mg, por dia. O leite em pó contém vitamina D suficiente para os bebês recém-nascidos, mas o materno poderá não conseguir fornecer a quantidade adequada, a partir dos 4-6 meses de idade, especialmente nos países nórdicos, durante o Inverno.

Uma breve exposição da pele a luz solar durante a Primavera, Verão e Outono, irá assegurar a vitamina D necessária, mas nunca nas horas mais quentes do dia; tampouco é necessária uma exposição direta ao sol.

Cálcio

Nenhuma carência de cálcio foi relatada em crianças veganas. Dada a importância da ingestão de cálcio, durante a juventude, para evitar um futuro risco de osteoporose, os pais veganos, como quaisquer outros, devem assegurar a introdução de alimentos ricos em cálcio na dieta das crianças. A dose recomendada é de 350-550mg por dia, para bebês e crianças até 10 anos de idade.

Boas fontes de cálcio são melaço, sementes, nozes, legumes, tofu, salsa, figos secos, algas, cereais, leite de soja fortificado.

Ferro

Os bebês podem absorver cerca de 50% do ferro presente no leite materno, mas calcula-se que apenas 10% do ferro presente no leite em pó seja absorvido. Uma pesquisa, de 1981, feita em crianças veganas inglesas, com idades entre 1-4 anos, constatou uma ingestão média de 10mg, por dia, basicamente proveniente de trigo e leguminosas, o que excede consideravelmente a dose diária recomendada. A dose diária recomendada é: dos 0-3 meses, 1.7mg; dos 4-6 meses, 4.3mg; dos 7-12 meses, 7.8mg; crianças até aos 10 anos de idade, 6.1 – 8.7mg; e adolescentes, 11.3-14.8mg.

Boas fontes de ferro são leguminosas, tofu, legumes verdes e frutos secos. Deve-se ter ainda o cuidado de incluir um rico em vitamina C (laranja, kiwi, tomate) juntamente com os alimentos ricos em ferro para aumentar a sua absorção.

Zinco

Existem provas, obtidas da população em geral, de que malformações ocorridas em alguns bebês podem estar relacionadas com carências de zinco em suas mães. O leite materno não é uma fonte rica deste mineral e, durante o aleitamento, os bebês obtêm-no das suas próprias reservas corporais, obtidas durante os últimos 3 meses de gravidez. Por isso, os bebês prematuros podem correr risco de carências em zinco.

As recomendações diárias são dos 0-6 meses, 4mg; dos 7 meses-3 anos, 5mg; dos 4-6 anos, 6mg; e dos 7-10 anos, 7 mg.Algumas fontes de zinco são leguminosas, nozes, germe de trigo, cereais integrais, tofu e misso.

tabelacriancavegana

Referências:
http://www.vegansociety.com/html/info/info26.html
KLAPER, Michael, Pregnancy, Children & the Vegan Diet, Ed. Gentle World

Cristina Rodrigues

Fonte: Centro Vegetariano
http://www.centrovegetariano.org/Article-125-Alimenta%25E7%25E3o%2Bde%2Bcrian%25E7as%2Bveganas.html

Lembre-se: sempre antes de mudar a dieta de seu bebê, procure um médico nutricionista especializado em nutrição vegana