Curiosidades gastronômicas… Açorda

Receitas, Segredos Na Cozinha,

Partilhe com os seus amigos ...Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter

Curiosidades gastronômicas…

Um pouco de história sobre… a Açorda!

Acredita-se que as açordas são uma herança árabe no nosso país, tratando-se de um prato de subsistência , consequência de graves crises de carência alimentar, feita com produtos base. O pão é desde sempre o mais básico alimento, presente na nossa cozinha sob diversas formas.

Quando analisamos as fontes e receituário da presença árabe na península encontramos muitas às quais se adicionava pão esfarelado ou cortado grosseiramente. Parece ser esta a origem das açordas. No entanto, quase só na zona sul do país assumimos a designação açorda. Este termo nunca aparece associado às de pão que ainda hoje se confeccionam nas Beiras ou Trás-os-Montes.

No tratado de cozinha árabe, Kitâb-al-tabîj, dos séculos X e XI, de autor anônimo, encontramos a primeira designação de açorda. Noutro tratado, de Ibn Abd al-Ra’uf, também se refere a açorda, com a designação de Tarid ou Tarida, em árabe, que quer dizer pão migado, ao qual se junta alho, e água quente.

Em consulta de dicionários de árabe encontramos ainda o termo Ath thurdâ, que significa sopa com pão.Mas é no século XIII que nos surge o mais famoso tratado da época. Trata-se da obra “Fudalat al-Khiwan…” escrito por Ibn Razin Tujibi entre 1238 e 1266, e cujo título é traduzido, a partir do francês, para “As Delícias da Mesa e os Melhores Tipos de Comida”.

Neste livro há um capítulo dedicado às Panades (sopas com pão) logo de seguida ao capítulo do pão. Encontramos 25 receitas de Panades, maioritariamente enriquecidas com desde o ao capão, passando pelo pombo e borrego ou pelo cordeiro.

Encontramos em Gil Vicente possivelmente a primeira designação de açorda, na Farsa dos Almocreves: “Tendes uma voz tão gorda/ que parece alifante/ depois de farto de açorda”. No primeiro livro de cozinha impresso em Portugal, de Domingos Rodrigues, “A Arte de Cozinha…”, em 1680, é feita uma clara distinção entre caldos e sopas, sendo que estas eram sempre confeccionadas com pão, ou este adicionado no final.

Em 1876 publica João da Mata o seu “Arte de Cozinha” especialmente destinado aos profissionais. Encontramos aqui a açorda com bacalhau, uma sopa de pão à portuguesa e ainda outras sopas com pão. Essa receita de açorda não é uma sopa, mas uma açorda muito semelhante às que hoje encontramos. Este livro entra com facilidade no século XX e será o manual dos profissionais da época.

Mas é com Carlos Bento da Maia, edição de 1904, com o título “Tratado Completo de Cozinha e Copa”, que as açordas aparecem como confecção e ilustradas com onze receitas, e fazendo bem a separação das muitas sopas com pão. Estamos na época do aparecimento de restaurantes, e a cozinha regional começa a evidenciar-se.

Em 1936 publica-se o livro “Culinária Portuguesa”, de António Maria de Oliveira Bello no qual é verdadeiramente feito o elogia e defesa da cozinha regional, onde são apresentadas sete receitas de açorda. Já mesmo autor tinha publicado no livro “Culinária”, 1928, uma receita de Açorda de à Portuguesa enquanto sopa à base de pão, sobre a qual se colocava estrelados preparados à parte, ou escalfados.

Será a partir desta receita que nos aparece a “açorda à alentejana”, que enquanto açorda é a única sopa do nosso receituário regional? Em 1940 publica-se o livro “Volúpia” de Albino Forjaz de Sampaio, muito provavelmente o primeiro livro de gastronomia em Portugal.

Depois a glorificação das açordas como prato completo e a imensa variedade de receituário desde o Douro, toda a costa atlântica com peixes e mariscos, da Beira ao com o bacalhau, e o com as carnes de porco e enchidos.

História gastronômica com #PortugalDescomplicado